Conteúdos

sexta-feira, 26 de junho de 2015

CONFERÊNCIA DA DEUSA DE GLASTONBURY - 20 ANOS DE ESTRONDOSO SUCESSO!



A CONFERÊNCIA DA DEUSA DE GLASTONBURY 2015, que este ano celebra o seu 20.º aniversário, está a chegar!

Vim pela primeira vez a esta imensa e incrível celebração da Deusa em 2011 e decidi que a minha vida não teria mais sentido se não pudesse cá estar todos os anos nesta altura… Como eu, muitas outras mulheres e homens sentem o mesmo, o que transforma este evento para além do mais num maravilhoso reencontro anual que dá à nossa vida outro sentido e profundidade… Vivamente recomendo!

Começa na terça.feira 28 de Julho e termina no domingo 2 de Agosto

Com acontecimentos na margem que começam no domingo dia 26 de Julho e vão até segunda-feira 3 de Agosto

Este ano celebra-se ANU, AN CAILLEACH, STELLA NOLAVA, A RAINHA DO CÉU E DA TERRA, A MÃE ESTRELA CÓSMICA

Partilha de práticas espirituais da Deusa

Um leque fantástico de mulheres e de homens da Deusa contribuem para o brilho deste evento:

Da Australia & dos Estados Unidos: ANIQUE RADIANT-HEART, JUDY LAONESSA PIAZZA, PAULA GIRARDI,VICKI NOBLE & YESHE RABBIT

 Da Europa e da Britânia: ANGIE TWYDALL, CHRISTINE WATKINS, DOV TRUBNIK, ERIN MCCAULIFF, HELEN ANTHONY, HELOISE PILKINGTON, IRIS LICAN, ISABELLA VERBRUGGEN, JILL SMITH, JULIE FELIX, KATHY JONES, KATIE HOFFNER, KATINKA SOETENS, KIRSTEN BRUNSGAARD, LUIZA FRAZÃO, LUNA SILVER, MARION VAN EUPEN, MARY BRUCE, MIRIAM RAVEN, SALLY PULLINGER & TERENCE MEADEN

E ainda vári@s Artistas, Músic@s, Performers, Sacerdotisas, Melissas & outr@s maravilhos@s mulheres e homens.

Exposições:

DREAMS AND VISIONS com TIANA PITMAN com AMBER SKYES, FOOSIYA MILLER, JILL SMITH, & e mais artistas na Glastonbury Assembly Rooms, WENDY ANDREW no Miracles Room e Artistas & Artesãs no Small Town Hall.

Na margem da Conferência da Deusa deGlastonbury: wookshops & concertos. 






domingo, 7 de junho de 2015

MAMMA MIA - O EXCESSO DE MÃE


No filme de grande sucesso Mamma Mia (2008, baseado num original de Catherine Johnson dirigido por Phyllida Lloyd), em que se enfatiza a natureza generosa, acolhedora, liberal da mãe; nessa casa de sonho em que entramos e saímos e andamos à vontade, em que existe sempre lugar para quem chega à mesa, em que a pasta ferve no lume enquanto a pizza e o pão cozem no forno, em que há sempre vozes e animação e alegria, nessa casa vive ou é ela própria, a casa, a nossa Mãe ideal e o seu colo aconchegante. Ela é aquela que nunca fecha a porta e aceita e perdoa e passa a mão pela cabeça com carinho e sabe ouvir e compreender e proteger e em cujo regaço nos sentimos a salvo das agruras do mundo. 

Posso dizer que tenho um conhecimento razoável dessa mãe; que um coletivo de mulheres desempenhou de certa forma a função dessa mãe na minha infância. Eram mulheres com as quais sempre podíamos contar. Para além da mãe natural, nem sempre a mais acessível, diga-se, havia as tias, as avós, as primas ou simplesmente as amigas da casa. Esse conjunto era o mais aproximado possível, creio, da Mãe, do habitat natural que rodeia a Mãe nas sociedades matrifocais, aquilo que Bachofen (antropólogo suiço do século XIX famoso pelas suas teorias sobre as antigas sociedades matriarcais) referia pelo termo alemão Muttertum.
Fonte: Cacilda Rodrigañez Bustos,
http://pulposymedusas.blogspot.pt/2010/08/por-un-feminismo-de-la-recuperacion.html



O estranho é que, apesar de em países como o nosso e de uma forma geral nos países latinos, ainda parecer existir muito este tipo de mãe, tal não é infelizmente garantia nenhuma de estarmos a criar pessoas mais seguras de si, empoderadas e com sentido de responsabilidade social ou cívica, no fundo todas as qualidades de que o termo adulto/a se reveste na sua verdadeira acepção. Diria até que em países com “menos mãe”, ou com mães menos “latinas” essas qualidades parecem florescer melhor. Alguma coisa então não estará a funcionar como deveria com as nossas mães que à partida parecem corresponder tão bem a um ideal de Mãe. 

Pessoalmente, sinto que um dos grandes problemas reside na ideia muito enraizada entre nós de que a Mãe tem de se sacrificar. As mães são aquelas que se sacrificam, um pouco como a vela que arde e se consome até ao fim para que a sua luz nos possa iluminar. As mães sacrificam-se, dizem, pela família. Para que a paz e a harmonia reinem na família, fazem tudo, acreditam muitas delas, esquecendo-se de que a família tem a sua alma própria que tudo regista e tudo sente e tudo vai de alguma forma acabar por revelar e manifestar. Mas então, na sua valorização do sacrifício, a mãe acaba muito por se calar, por fazer de conta, por fingir que não ouve, por desculpar depressa demais, por aceitar muitas vezes o inaceitável. 

Na verdade, se quisermos ser rigorosas/os, o sacrifício da mãe aconteceu já muito antes de ela o ser, uma vez que ele é a base da própria família patriarcal que temos. Já agora, para quem viu o filme que cito no início, é bom lembrar um dos dados mais extraordinários da trama, que é o facto de nessa casa de sonho da Mãe não haver pai. A heroína não sabe sequer quem é o pai da sua filha e sai incólume desse crime de lesa autoridade patriarcal. E a subversão continua no filme na forma como os homens com a possibilidade de serem o pai se comportam, prontos e encantados com a ideia de assumirem esse papel, sem competição nem exclusivismo, como acontece nas sociedades matriarcais ou matrifocais em que o papel do pai é irrelevante, sendo os homens da família a assumirem a função de protetores e de educadores e a fornecerem o modelo do masculino de que a criança precisa. Não é minha pretenção aqui incentivar as mulheres a terem filhas e filhos sozinhas sem um pai, sejamos realistas; com o tipo de sociedade em que vivemos, isso tornar-se-ia um peso muito grande tanto para a mulher como para a criança. 

Voltando à ideia do sacrifício da Mãe, ele aconteceu quando este modelo em que a mãe era central foi substituído por aquele que temos em que ela está sob a alçada do pai. O poder da Mãe, que refletia ou emanava do tipo de divindade cultuada, a Grande Mãe Criadora, passou para segundo plano quando a divindade mudou de género e passou a ser o Pai. Todo o modelo mudou, os valores que regiam a sociedade mudaram, o imperativo tornando-se agora o domínio e a conquista em vez de a proteção da vida. Fomos expulsas/os do paraíso, acabou-se a Idade de Ouro, pela lei da espada patriarcal, como tão bem nos refere Riane Eisler nessa obra absolutamente ímpar que é O Cálice e a Espada (Via óptima, Porto). Assim, já só por um acaso temos o tipo de maisonnée (um termo popular francês que define não só a casa como o coletivo de pessoas que nela vive ou que gravita à sua volta) do filme Mamma Mia, que nos fornece uma visão, obviamente muito idealizada, do genuíno reino (ou seria raino?) da Mãe, ou tão genuíno quanto o sistema que respiramos permite, e que em resumo é uma Mãe com poder e autoridade. 

Porque, não nos iludamos, não é por vivermos numa família de mulheres nem por lá em casa a última palavra ser a da mãe, que podemos dizer que ela tenha poder genuinamente seu. Nenhuma mãe com poder emanado do seu próprio coração e forma de estar no mundo deixaria que um filho seu fosse para a guerra, por exemplo, consentiria numa forma de progresso que implique destruição da natureza, ou aceitaria na sua cama um homem a tresandar a carnificina e a outros abusos de poder e profunda insensibilidade ao sofrimento alheio. O poder que nos parece muitas vezes emanar da mãe no tipo de sociedade em que vivemos é na verdade o poder patriarcal que ela assume como seu sem o ser, tendo perdido o rasto dos verdadeiros valores que em estado selvagem, de antes da domesticação patriarcal, emanariam do seu coração de mulher. 

Por que referi então no título que temos “excesso de mãe”? Porque a mãe que temos, desempoderada e desautorizada, e até infantilizada, por ter passado da alçada do pai para a do marido sem saber quem ela própria é nem ter amadurecido como adulta, é essencialmente uma mãe permissiva, que nessa profunda distorção patriarcal que é a ideia do sacrifício, permite tudo aquilo que não deveria permitir, não sabendo impor, com receio de perder o amor da sua descendência, limites nem fronteiras e sem ser senhora do seu verdadeiro sim nem do seu verdadeiro não, incapaz de fornecer qualquer modelo de força, coragem, coerência ou autenticidade, valores que criem cidadãos e cidadãs responsáveis, capazes de governar um mundo. Em vez disso, ela reproduz seres imaturos como ela, mimados pelo seu excesso de proteção sem exigência de contrapartidas de responsabilização pessoal, os egoistas, vaidosos, enfatuados e corruptos dirigentes que temos e os cidadões impotentes e assustados que em vão procuram refúgio nas saias duma mãe arquetípica que a única capacidade que parece ter é a de comungar do seu sofrimento.    

© Luiza Frazão

Imagens: Google