Conteúdos

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Na última glaciação, a humanidade terá sobrevivido aqui

"A cada dia que passa surgem novas provas científicas, nas mais diversas áreas – da genética, à arqueologia e à linguística – da enorme antiguidade, unidade cultural e primazia europeia do nosso pequeno rectângulo atlântico. Resumindo, dizem os arqueólogos, os climatólogos e os zoólogos que, na última glaciação, a maioria da humanidade, umas 5000 pessoas, sobreviveu por aqui, naquilo a que chamam o refúgio ibérico. Dizem os linguistas que a nossa língua tem características do celta mais primitivo e que essa língua nunca aqui chegou, porque daqui partiu, afinal, dando origem, com o tempo, a muitas das línguas europeias, incluindo o latim. Dizem os geneticistas que somos antepassados de Irlandeses, Escoceses e até, de Noruegueses."

http://www.triplov.com/Britiande/Lendas/index.htm 

Imagem: criança Neandertal (Google)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

MARY DALY - RECUPERAR UMA ANTIGA REALIDADE CENTRADA NA MULHER

Mary Daly, teóloga feminista, morreu aos 81 anos (em 2010)

Daly deu aulas de teologia, ética feminista e patriarcado no Boston College durante 33 anos. Seu primeiro livro, "The Church and the Second Sex" [A Igreja e o segundo sexo], publicado em 1968, fez com que ela fosse demitida por pouco tempo de sua posição de ensino na instituição. Mas, como resultado do apoio do corpo de estudantes (então todo masculino) e do público em geral, ela obteve no fim a estabilidade no emprego. Mary E. Hunt, co-fundadora e co-diretora da Women's Alliance for Theology, Ethics and Ritual (WATER), anunciou a sua morte no dia 03 de janeiro pelo boletim online The Feminist Studies in Religion: "Com o coração pesado, embora agradecida além das palavras por sua vida e pelo seu trabalho, eu anuncio que Mary Daly morreu nesta manhã, dia 03 de janeiro de 2010, em Massachusetts.

Ela estava com sua saúde enfraquecida nos últimos dois anos. "Suas contribuições à teologia, filosofia e teoria feminista foram muitas, únicas, e, se eu posso assim dizer, mudaram o mundo. Ela criou um espaço intelectual; ela levantou a barreira. Mesmo aqueles que dela discordavam estão em dívida com ela pelos desafios que ofereceu. Ela sempre aconselhou as mulheres a lançar nossas vidas o mais longe que pudessem ir. Eu posso dizer sem medo de exagerar que ela mesma viveu dessa forma". Daly escreveu: "Há e haverá aqueles que pensam que eu exagerei. Deixem-nos ficarem certos de que essa avaliação está correta, provavelmente além de sua imaginação mais selvagem, e eu continuarei fazendo isso".

Ela foi uma participante exuberante e formadora do movimento feminista dos anos 70 e 80. Única filha de uma família de pais católicos irlandeses da classe trabalhadora do norte de Nova York, Daly cresceu com um grande senso de sua herança étnica e religiosa. Como jovem, ela desenvolveu um desejo de se tornar filósofa e teóloga. Encorajada por seus pais e especialmente por sua mãe, Daly buscou seu sonho intelectual, tornando-se finalmente uma vencedora, em um sistema educacional católico que evitava que mulheres obtivessem graus académicos em filosofia, ao estudar na Universidade de Freiburg, onde ela se graduou em filosofia e teologia. Daly foi influenciada por pensadores que vão de Tomás de Aquino à feminista francesa Simone de Beauvoir e Virginia Woolf. De fato, Daly, a feminista, desenvolveu uma espécie de afeição perversa por Aquino, ao qual ela chamava de "velho monge gordo".

Ela aprendeu a "decodificar" o pensamento de um homem que, admitia ela alegremente, concebia as mulheres como "homens bastardos". Finalmente, em sua vida pessoal e académica, ela desenvolveu uma ampla análise do "patriarcado" como a raiz da opressão das mulheres e de todos os problemas sociais em que as pessoas são tratadas como objetos. Depois de "The Church and the Second Sex", ela disse que, de "reformista cristã", passou a ser a uma feminista "radical e pós-cristã". Estudar as formas arquetípicas e a religião pré-patriarcal convenceu Daly que a doutrina da Igreja consistia em uma série de "reversões" significativas.

Ela os explicou à escritora Jeanette Batz em 1996:

•a Trindade, da deusa tripla uma vez celebrada em todo o mundo;

•o nascimento virgem, da partenogénese que uma vez gerou as filhas divinas;

•Adão que dava a luz a Eva.

As mulheres, agindo nos limites do patriarcado, escreveu ela, podem escalar até a liberdade ao renomear e recuperar uma antiga realidade centrada na mulher que foi roubada e erradicada pelo patriarcado. Ela obteve um grande prazer ao castigar os "oito pecados mortais dos Padres da Igreja": procissões, profissões, possessão, agressão, obsessão, assimilação, eliminação e fragmentação. "Riam abertamente", conclamava ela, "de suas pomposas procissões penianas". Assim como para Deus, simplesmente não existe nenhuma maneira de se livrar da linguagem de alusão, escreveu.

Então, "se você deve ser antropomórfico", ela preferia "Deusa". Daly muito frequentemente contemplou a essência divina como um verbo, "Be-ing itself" [Ser si mesmo], então esse louvor não é "ajoelhar-se diante de um Fulano, mas sim circular em energia". Sua linguagem fez eco à física quântica, e ela ficaria agradecida se você lhe dissesse isso: "Eu realmente penso em espaço-tempo como uma grande coisa", admitia ela. "É uma espécie de misticismo que também é político".

Essas atitudes com relação à vida e à religião foram refletidas na edição do dia 26 de fevereiro de 1996 da revista The New Yorker, na qual ela escreveu: "Sempre, desde minha infância, eu tenho aprimorado minhas habilidades para viver a vida de uma pirata feminista radical e cultivar a coragem para vencer. A palavra 'sin' [pecado] deriva-se da raiz indo-europeia 'es-', no sentido de 'to be' [ser].

Quando eu descobri essa etimologia, eu intuitivamente entendi que, para uma mulher presa ao patriarcado, que é a religião do planeta inteiro, 'ser' no sentido mais pleno é 'pecar'". "Mulheres que são piratas em uma sociedade falocrática estão envolvidas em uma operação complexa. Primeiro, é necessário saquear – isto é, remover com retidão as pedras preciosas de conhecimento que os patriarcas roubaram de nós. Segundo, devemos contrabandear para outras mulheres os nossos tesouros saqueados. Para inventar estratégias que sejam grandes e fortes o suficientes para o próximo milénio, é crucial que as mulheres compartilhem suas experiências: as mudanças pelas quais passamos e as escolhas que nos mantiveram vivas. Elas são minhas palavras de guerra de pirata e o toque de despertar para as mulheres que querem ouvi-las".

E então Daly disse: "Eu lhe convoco para Pecar. Mas não contra essas religiões diminutas, Cristianismo, Judaísmo, Islão, Hinduísmo, Budismo – ou seus derivados seculares, Marxismo, Maoísmo, Freudianismo e Junguianismo – que são todos derivativos da grande religião do patriarcado. Pequem contra a própria infraestrutura!". Daly verteu muita energia sobre a quebra dos velhos limites do pensamento crítico. Seu trabalho ajudou a montar o palco para outras teólogas feministas que surgiram no século XX para oferecer críticas à teologia dominada pelo masculino que iriam dar nova forma ao pensamento cristão.

Essas mulheres extremamente inovadoras incluiam Rosemary Radford Ruether, Elisabeth Schussler Fiorenza e Rosemary Haughton.

Outros livros publicados por Daly são:

•"Gyn/Ecology: The Metaethics of Radical Feminism", que definiu categorias de teoria política e filosofia da religião.
•"Pure Lust: Elemental Feminist Philosophy", um estudo exploratório do patriarcado e da visão feminista. •"Websters' First New Intergalactic Wickedary of the English Language", um trabalho bem humorado de palavras voltadas a "libertar a língua inglesa" de suas raízes patriarcais.
•"Outercourse: The Be-Dazzling Voyage", uma autobiografia filosófica.
•"Quintessence... Realizing the Archiac Future: A Radical Elemental Feminist Manifesto", outra consideração sobre o pensamento feminista.
•"Amazon Grace: Re-Calling the Courage to Sin Big" Autor: Thomas C. Fox. A tradução é de Moisés Sbardelotto

http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_canal=39&cod_noticia=14062

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Dia de ATHENA

Hoje (17 de janeiro), diante do altar de Athena, tive uma intuição, algo me disse que era um dia importante e peguei no Anuário da Grande Deusa, da Mirella Faur…

Eis o que encontrei relativo a este dia:

17 de Janeiro

Na Grécia, comemoração da Deusa Athena em seu aspeto de guerreira. Athena foi eleita padroeira da cidade de Atenas numa competição com o Deus Poseídon, quando o Deus ofereceu ao povo as ondas do mar e Athena plantou a oliveira, presente que foi mais útil. O mito original descreve Athena como uma antiga Deusa minóica, guardiã da terra e da família, a quem foram acrescentadas as características guerreiras da Deusa Pallas, trazida posteriormente pelas tribos gregas.

Incrível!
Podemos invocar este Arquétipo para ter força redobrada para gerir a nossa carreira, ter maior capacidade de discernimento, inteligência e capacidade estratégica, talento e habilidade.