Conteúdos

sábado, 1 de janeiro de 2011

Síndrome de Cinderela


"Lembra da Cinderela, aquela que durante o dia lavava, passava, limpava e cozinhava, tomava conta das irmãs e ainda satisfazia a todos os desejos da madrasta má? Pois é, e não é que a danada ainda tinha pique pra se embonecar toda, sapatinho de cristal e tudo, enfiar-se em uma abóbora e dançar com o príncipe a noite inteira?
Bem, a noite inteira não, só até a meia-noite, porque até a Cinderela tinha lá os seus limites, impostos pela fada-madrinha, diga-se de passagem, porque se fosse por ela ficava no arrasta-pé até o dia clarear. Vai ter disposição assim lá na casa do chapéu!
Pois contaram essa história pra gente quando a gente ainda era menininha, só que algumas de nós acabaram levando isso ao pé da letra, achando que ser como a Cinderela era formidável e seguem arrastando esse pesado fardo vida afora. São as ditas perfeccionistas: exigentes ao extremo consigo mesmas, nunca se poupando de esforços incomensuráveis e sobre-humanos pra fazer tudo da forma mais impecável possível, mas frequentemente indulgentes com as imperfeições alheias.
Aos vinte e tantos anos eu surtei, só faltava babar e chamar urubú de meu louro, e a explicação psicanalítica pra coisa era que eu "me esforçava tanto pra cumprir todos os meus papéis que acabava não dando espaço pra mim mesma".
Toma, besta, vai ficar aí tentando ser a melhor funcionária, melhor esposa, melhor mãe, melhor dona-de-casa, melhor tudo-que-há, que você também vai ter o seu! Temos que entender que somos apenas humanas e que se nossa opção foi desenvolver a nossa carreira, marido que nos desculpe mas a casa vai permanecer alguns anos (até a gente se aposentar, pelo menos) nesse estado assim beirando a zona. E se a bagunça o incomoda tanto, ele que é tão profissional quanto nós que se digne a vir pra casa mais cedo dispensando suas sagradas cervejinhas depois do escritório e peque no cabo da vassoura, ora essa! E nem me pergunte o-que--é-que-eu-faço-com-essa-vassoura-agora com essa cara de paspalho que senão eu dou uma daquelas respostas que no fim dão em divórcio!
E se a gente optou por ter filhos, o chefe vai ter a santa paciência de aturar aí uns atrasos de vez em quando, porque afinal quem é que supre o mercado de trabalho com mais e mais trabalhadores? Nós aqui, né? E se eles morrerem todos porque a mãe tinha que trabalhar e não podia levar ao médico, a longo prazo esse país aqui vai pras cucuias, não vai não? Então...
E claro que se o almoço atrasar porque a gente estava no cabeleireiro, nosso querido esposo vai ter que aprender pra que servem aqueles botõezinhos lá do microondas, que não tem controle remoto, não senhor. E fazer uma saladinha pra esperar a mulher de vez em quando também não mata ninguém nem cai a mão, não senhor.
É, amiga, pode doer a consciência um pouco no começo, mas a gente vai ter que se acostumar a estabelecer prioridades (as nossas, não as deles) e fazer sempre o que for mais importante, sem culpas por deixar o resto assim na base do deus-dará. Fazer tudo ao mesmo tempo a gente já viu que não dá, e seria desumano ao menos tentar, então relaxa e goza a vida!"

(por Zailda Mendes)
Publicado por Susana Vitorino em Mulheres & Deusas.

1 comentário: