Conteúdos

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

UMA CONFERÊNCIA DA DEUSA PARA PORTUGAL



A minha amiga que muito estimo RLP acaba de publicar mais um texto forte e poderoso sobre a nossa condição de mulheres num mundo de homens, sobre divisões, traições e subalternidades… e muito bem. É só o 500.º do mesmo género que  publica sobre o tema e se ela deixasse de o fazer eu iria sentir muito a perda dessa voz lúcida que se ergue corajosa e insistente no meio da inconsciência e deixa andar geral, falando sobre a forma insana como convivemos com o género oposto e ele connosco, sobre esse profundo desequilíbrio de que padecemos e morremos…

Ao mesmo tempo que vejo as vantagens destes alertas até pela forma como tantas mulheres reagem e se reveem e identificam com o que é dito e contado, o que significa que de repente tomam consciência, também vejo as tremendas desvantagens que são a energia que se fornece ao monstro, ao grande sorvedouro patriarcal que de tudo isso se alimenta…

Por outro lado, a minha amiga KJ resolveu dar o seu tempo, energia e talento à criação dum outro foco de interesse e atenção que congregue a energia das mulheres, devolvendo-lhes um sentido de poder e de completude em si mesmas, colocando tudo aquilo que é específico do feminino e da mulher no centro duma nova cultura, que faz com que a energia que dávamos ao sistema criado e dominado pelo homem vá gradualmente enfraquecendo. E o sistema, acredito, acabará por morrer à míngua da energia com que as mulheres o alimenta(va)m.

Senti isso quando em 2011 assisti (ou vivenciei melhor dizendo) à Glastonbury Goddess Conference em direto. O poder deste evento de mudar o foco da cultura para os valores femininos e para a mulher está provado pela propagação do conceito por esse mundo fora. Atualmente realizam-se Conferências da Deusa em quase todos os países da Europa, bem como nos Estados Unidos, Austrália e em alguns países da América Latina como a Argentina e o México. 

Portugal entretanto terá a sua primeira Conferência da Deusa a valer em setembro de 2016, em Sintra. Prepara-se e reserve desde já o seu lugar, venha refazer em direto a História no feminino!

Sem comentários:

Enviar um comentário